Estreia histórica: Passos Coelho critica a União Europeia e defende Portugal

PortugalMapaNoMundoO pequeno país em baixo à esquerda terá encontrado quem o defenda?

O Dr. Passos Coelho  afirmou que tem aumentado a desigualdade  na União Europeia (UE) em particular na Eurozona e atribuiu esse aumento à emergência da fragmentação financeira, de acordo com fronteiras que qualificou de «geográficas», situadas no sul da Europa; desaparece assim para Portugal uma das suas «grandes conquistas», o «mercado único» europeu. Aquelas afirmações foram  produzidas sexta feira passada em Madrid, numa conferência do Berggruen Institute on Governance (BIG).

O Primeiro Ministro afirmou ainda que  desaparece assim a expetativa de o fraco se tornar mais forte; reivindicou mais «solidariedade» europeia e lembrou que  entre as causas da crise está a «irresponsabilidade a nível nacional» – que já muito vezes denunciou  – mas também o facto de a Europa a ter consentido, «por distracção ou negligência». O Dr. Passos Coelho estabelece uma relação entre a nova atitude e o fim do acordo com a troika: agora compete  à UE corrigir o «stress permanente e os desequilíbrios perpétuos» em que vive, com «regras claras, comuns, instituições funcionais e tomadas de decisão racionais e oportunas». O Dr. Coelho defendeu ainda a reindustrialização da Europa e uma resposta ao «desafio demográfico».

É nova no discurso do Sr. Primeiro Ministro a afirmação da corresponsabilidade da UE e dos outros europeus na nossa crise, não sendo de estranhar que seja produzida no quadro conceptual liberal, no qual o Sr. Primeiro Ministro gosta de se mover. A UE transformou-se num agregado de nacionalismos económicos e por isso aquele quadro liberal  é uma base para defender muitos dos nossos interesses face aos irmãos grandes europeus.

O Economista Português saúda estas palavras do Dr. Passos Coelho que, pela primeira vez, se dota de uma posição tática que lhe permite defender os interesses portugueses no quadro da UE; e espera que ele mantenha esta atitude e a desenvolva.

Anúncios

Os comentários estão fechados.