Passos Coelho: A Austeridade sobre a Classe média

austeridade por quintis de rendimentoFonte – Gráfico em Fiscal Policy and Income Inequality, do Fundo Monetário Internacional. O gráfico divide a população em cinco grupos igualmente populosos, segundo o nível de rendimento.

O Doutor  Pacheco Pereira acusou ontem o governo de atacar a classe média. O gráfico acima mostra que isso é verdade. O rendimento dos dois grupos mais pobres caiu menos do que os dos restantes. Só que a queda dos outros dois grpos intermédios é acentuada e bem superior à dos dois mais baixos. Os grupos de rendimentos maiores, incluem rendimentos baixos, tipo mil euros por mês.

Esta política social diminui a desigualdade medida por comparação entre os maiores e os menores rendimentos, o que a maioria dos cidadãos considerará bom, mas distorce as remunerações relativas, o que desestabiliza a organização social e aumenta o sentimento subjetivo de privação das classes média e média alta – e de muitos elementos da classe mais altos rendimentos e que são na realidade médios rendimentos.

Pacheco Pereira salientou um efeito deste tipo de distribuição da austeridade: «a pobreza deixa de ter esperança de passar acima da pobreza». Com efeito, fechando o leque dos pagamentos, desestimula-se a ascensão social e o aumento de produtividade – incentivando-se a emigração para o estrangeiro, porque o PIB não aumenta.

PassosCoelhoPrioridadeAosPobresPúblico26mar14

O título do Público, acima, revela que Passos Coelho propõe-se continuar a causticar a classe média, tomando como alibi os pobres que são menos numerosos e mais fáceis de contentar(são os «rendimentos mais baixos»).

Anúncios

Os comentários estão fechados.