Eleições: Algum Responsável já agiu para beneficiarmos do «Quantitative Easing»?

EurozonaAssimetriaFonte: Eurostat

O Sr. Jean-Claude Juncker, um conhecido amigo de Portugal, visitou-nos em ação de propaganda eleitoral do Partido Popular Europeu; a dado passo, qualificou de «irresponsáveis» os políticos que aumentam o défice orçamental. A seu lado estava o Dr. Passos Coelho, que disse mais ou menos o mesmo.

Estas palavras bradam aos céus. Se a União Europeia não vivesse numa cultura económica do século XIX, se a União Europeia não fosse uma coleção de egoísmos nacionais que redistribui aos necessitados menos de 1% do seu PIB, o Sr. Junker teria dito: «são irresponsáveis os políticos que não aumentam o défice orçamental quando há uma zona monetária assimétrica em termos de ciclo económico ou ameaçada pela crise económica». A Chancelarina Merkel choramingou quando lhe disseram esta frase  numa recente reunião do grupo dos 20 mas o Sr. Juncker não teve quem lhe chamasse a atenção para o seu desconhecimento da teoria económica prevalecente nos países civilizados, o consenso entre o keynesianismo e o monetarismo friedmaniano, Por acaso, essa teoria seria vantajosa para o nosso país e para a Europa. Infelizmente, nesse passo da nossa campanha eleitoral para as Europeias nenhum português achou que valesse a pena defender Portugal. Porquê? Será devido ao «cansaço da inteligência abstrata», «o mais horroroso dos cansaços», como escreveu Fernando Pessoa no Livro do Desassossego?

A questão coloca-se com premência. No próximo mês,  o Banco Central Europeu (BCE), dirigido pelo«irresponsável» Mario Draghi, começará a endividar-se com o chamado «Quantitative Easing» (QE): usará dinheiro dos contribuintes, seus acionistas, para comprar ativos, a fim de animar a economia, para evitar a deflação, para prevenir uma nova depressão económica. Para aquele consenso, o QE é um equivalente do aéfice do Estado. É o tal consenso civilizado que os Srs Juncker, Coelho e outros qualificam de irresponsabilidade.

Algum político ou economista  português já tomou a  menor medida para que o dinheiro fresco do BCE venha também para as empresas portuguesas? Se não fizermos nada, se deixarmos o Dr. Vítor Constâncio a pensar com a cabeça dele, é quase certo  que nunca um cêntimo passará do paralelo Frankfurt-Luxemburgo e por isso nada entrará na tesouraria das empresas portuguesas. O Dr. Coelho perdeu uma excelente ocasião de o recordar, sempre no mais acendrado respeito pela independência do banco central europeu. O Economista Português também não viu que os Drs Seguro ou Francisco de Assis se lembrassem de semelhante ninharia. Estão todos entretidos nos habituais ataques fulanizados, todos mais ou menos caricatos, e todos fogem da realidade como o Diabo da Cruz.

Anúncios

One response to “Eleições: Algum Responsável já agiu para beneficiarmos do «Quantitative Easing»?

  1. Isabel Costa

    O nosso PM é contra a política de “quantitative easing”. Mais, considera que não é missão do BCE melhorar a retoma económica. É um espanto! Sabe do que fala e serve outros interesses que não os do país?
    Em entrevista à CNBC: ” Passos Coelho also commented on nascent signs that the European Central Bank (ECB) could be considering buying bonds and other assets in an effort to stump up the euro zone’s economy.
    An asset-purchase, or quantitative-easing (QE), program would be something of a drastic change in policy – and is not something supported by Passos Coelho.
    “No one in the ECB can tell we ever conceived a situation where a policy like this could be adopted, but it’s not the mission of the ECB to improve the economic recovery,” he said.
    Instead, Passos Coelho said he would prefer the central bank to play a less active role in Europe’s economy. “It’s important that the European economy can recover by its own possibilities,” he said.
    His comments come after the ECB opted to keep monetary policy unchanged last week. However hints by Mario Draghi, the president of the central bank, have led many to expect some stimulus measures – although perhaps nothing as drastic as QE – to be unveiled at the ECB’s June meeting. ” http://www.cnbc.com/id/101675888
    Via http://pedrolains.typepad.com/pedrolains/2014/05/sr-feliz-e-sr-contente.html