Pingo Doce mudará a Sede para Genebra

PingoDoceFugaAosImpostos2 O paraíso fiscal holandês revela-se insuficiente para o Pingo Doce

«A Jerónimo Martins, dentro de um ou dois anos, deve estar em Genebra. É lá que estão os mercados e a banca cá não dá a resposta», afirmou o Dr. Alexndre Soares dos Santos/Pingo Doce anteontem à noite num debate organizado em Coimbra pela Ordem dos Economistas e pelo Clube MBA da Faculdade de Economia da Lusa Atenas.

Estas palavras do conhecido empresário suscitaram escassa atenção da nossa comunicação social oficiosa pois contrariam o otimismo reinante: se está tudo tão bem, se estamos a melhorar tanto, se a médio e longo prazo o nosso futuro económico é dos mais risonhos, qual a razão porque dentro de dois anos já será genebrina a sede da Jerónimo Martins ?

O Economista Português não fica surpeendido com as declarações do Dr. Soares dos Santos e elogia-as pois correspondem à nossa realidade presente e futura, caso não substituamos a política da troika/PS/PSD/CDS : com o Euro a um câmbio superior ao dólar, não há em Portugal condições para uma banca nacional; teremos que nos contentar com a ostentação de balcões de bancos, cada vez mais propriedade de estrangeiros, que nos emprestarão poupanças cada vez mais de estrangeiros, a juro alto; é que a má notação financeira do Estado português acarreta a má notação dos bancos com sede em Portugal e por isso o dinheiro chega muito caro às empresas e aos consumidores. Num período de baixa taxa de juro real, o tesouro dos Estados Unidos financia-se a 0,5% e o Tesouro português pelo menos a 4% (sempre em termos reais). A diferença é ainda maior na empresas e enquanto assim for a economia portuguesa não terá conserto. Num período comparável da globalização da economia portuguesa e de hiperliberalismo na política económica no século XIX, o grande economista político Joaquim Pedro Oliveira Martins escreveu no Portugal Contemporâneo:  Portugal era «uma granja e um banco»; hoje Portugal é um hotel à beira mar e um banco estrangeiro (exceto talvez o BES, se conseguir continuar a ser o único banco de portugueses). Amanhã será só o hotel à beira mar  – sem «oficina» alguma, como também escrevia Oliveira Martins.

PingoDoceFugaaosimpostos1O Economista Português  louva o Dr. Soares dos Santos pela sua implícita lucidez e critica-o por praticar o internacionalismo ao mesmo tempo que nos prega o patriotismo económico: «A iniciativa privada [isto é: Soares dos Santos visto por Soares dos Santos] não pode estar calada e tem de defender os seus méritos» ao passo que todos os outros (funcionários públicos, bancos, advogados, etc)  devem estar calados e quietos pois os seus méritos não merecem os do supracitado Dr. Soares dos Santos.

Os comentários estão fechados.