Montepio Geral: o Banco de Portugal regula ou desregula?

CorreiodaManhãMaridoTraído

A próxima manchete sobre o Banco de Portugal?

A propósito do caso BES, o sr. governador do Banco de Portugal (BdP), Dr. Costa, Carlos  informou o público que o seu banco prosseguia várias «auditorias forenses» – sem nomear as instituições de crédito auditadas. A informação era dada para mostrar a operosidade do regulador e a sua isenção; só acessoriamente  tinha o propósito de fortalecer a banca.
Se o BdP tivesse querido fortalecer a banca, teria concretizado as auditorias, mas não as teria publicitado. Dir-se-á: o BdP manteve o segredo bancário. Não manteve: manter o segredo era não revelar a existência das auditorias; ora o Dr. Costa, Carlos revelou a sua existência e deu assim abertura à violação do segredo. Tanto mais que, pelo contexto da revelação, Costa, Carlos sugeriu que elas eram paralelas ao grave caso BES e portanto haveria mais desgraças na forja bancária. O Dr. Costa pediu que alguém violasse o segredo, para proteger o bem público. Ou seja: O BdP está a parecer-se com o bombeiro pirómano.
Por isso devemos perguntar-nos: o BdP regula a banca ou desregula-a? Não será melhor passarmos a regular a banca instalando dois jornalistas em cada administração bancária e proibindo os administradores de reunirem sem a presença dos homens da informação? Era mais barato e por certo mais eficaz do que o BdP.

Os comentários estão fechados.