Caso BES: O Sr. Primeiro Ministro continua a contradizer-se

PassoscoelhoRicardoSalgadoOntem nos Açores, o Sr. Primeiro Ministro «disse não ser possível ‘ter uma noção precisa’ sobre a falência do Banco Espírito Santo/Grupo Espírito Santo na economia portuguesa – referiu esperar que não haja ‘um racionamento do crédito’ devido à situação do grupo -, mas lá admitiu: “Bom não é…» (Diário de Noícias).

Estas declarações são contraditórias com as da Srª Ministra das Finanças. Com efeito, falando fez ontem oito dias em S. Bento, a a Drª Maria Luís Albuquerque declarou não esperar qualquer efeito do caso BES na economia portuguesa nem no orçamento português.

Infelizmente, há mais contradições ao mais alto nível. Segundo a imprensa de 6 de julho passado, o Dr. Passos Coelho afirmou que o caráter «tecnocrático e profissional» da nova administração do BES pós Ricardo Salgado poderá ajudar a distinguir o grupo Espírito Santo do banco com o mesmo nome, sendo «um fator de estabilização e confiança». Não haveria falência, correria tudo bem. Semanas depois, a 4 de agosto, ao anunciar a falência disfarçada do BES, o Dr. Passos Coelho salientou que não haveria dinheiro do contribuinte e sugeriu que a limpeza financeira só nos beneficiariaa todos: a solução adotada é a que «melhor defende os contribuintes» e foi recebida «favoravelmente» pelo mercado.

Basta cotejar as declarações de ontem e as do verão para verificarmos que o Sr. Primeiro Ministro padece de um problema de credibilidade no campo financeiro. Como não devemos supor que o Dr. Passos Coelho é o perito financeiro do Sr. Primeiro Ministro, seria possível sugerir ao Sr. Primeiro Ministro que obtivesse melhores peritos financeiros ou, quando menos, um melhor desempenho dos seus atuais peritos?

Os comentários estão fechados.