Grandes Manobras europeias 1: o ex-chanceler Kohl preocupa-se com o fim próximo da UE

KohlAngelaMerkelKohl sobre Merkel: «não tem uma ideia sobre a Europa»

Helmut Kohl, o ex-chanceler alemão (1982-1998), publicará depois de amanhã um livro no qual censura em termos severos a autorização dada à França e à Alemanha para violarem o pacto de estabilidade (cuidado, Presidente Hollande!), considera um erro a admissão da Grécia e repreende com veemência o facto de a UE e os Estados Unidos procurarem «isolar» a Rússia, a propósito da questão ucraniana. Os países ocidentais devem cuidar de «não arruinar os êxitos que alcançámos no passado», salienta. Kohl defende o euro e a solidariedade com a Grécia.

O livro, intitulado Aus Sorge um Europa (Preocupação com a Europa) foi anunciado o mês passado; nessa altura, foi revelado que para Kohl Angela Merkel «não tem uma ideia sobre a Europa», «não sabia comer com faca e garfo» e só tinha entrado no seu governo devido à quota para os alemães de leste.

Helmut Kohl é um professor de história e um bismarckiano; sabe que a Europa é ingovernável sem um entendimento Alemanha-Reino Unido, mantendo a França e a Rússia de boa disposição, se possível. Como a chancelarina Merkel, acolitada pelo Presidente Hollande, aposta em expulsar Londres da UE (anunciou ontem alacremente que os britânicos estão prestes a atingir o ponto sem regresso), o velho chanceler preocupa-se. Tanto mais que cada dia que passa a Srª Merkel perde no tabuleiro ucraniano (ver post seguinte).

Kohl, tal como Helmut Schmidt, o grande chanceler social democrata, preocupava-se em não abusar da força alemã e procurava governar a Europa (Rússia incluída) pela negociação; Kohl andou com o Presidente Mitterrand ao colo e deu-lhe o Euro para o sossegar quanto aos medos de uma hegemonia alemã na UE após a reunificação germânica (sim, o leitor leu bem: Kohl deu o Euro ao francês Mitterrand para lhe curar os medos de uma hegemonia alemã).

Kohl e Jean-Claude Juncker apresentam hoje Aus Sorge um Europa em Frankfurte. O Economista Português aguarda a carambola: a chancelarina Merkel elevada a chancelarina honorária? Um governo de união nacional em França dirigido por um alsaciano? Um programa de investimentos para todos os países da UE e não só para o eixo franco-alemão-luxemburguês? Apenas maiores vendas do livro de Helmut Kohl?

*

Sobre o livro de Kohl:
http://www.lefigaro.fr/flash-eco/2014/11/02/97002-20141102FILWWW00188-la-charge-d-helmut-kohl-contre-ses-successeurs.php

Anúncios

Os comentários estão fechados.