O Orçamento 2015 é realizável? «Não devemos desesperar Billancourt»

PSUCartazNa França gaullista de meados do século passado, eram cartazes destes que segundo o PCF «desesperavam Billancourt»

A maioria dos organismos economicos nacionais e internacionais (Comissão Europeia, FMI, agências de rating e tutti quanti) consideram irrealizável o Orçamento apresentado pelo governo para 2015. Em voz baixa, o governo partilha ocasionalmente esta opinião. As críticas dirigem-se ao excesso de otimismo oficial sobre o crescimento do PIB e a cobrança de receitas fiscais. As críticas serão justas?
Se forem justas,ou se forem consideradas justas, o resultado será voltar a aumentar a austeridade imposta aos portugueses. Do ponto de vista moral, PSD, CDS e PS teriam que confessar: os sacrifícios dos portugueses foram vãos. O leitor imagina o resultado.

No século passado, quando o PC francês dominava as fortalezas operárias, dizia aos inteletuais que queriam sempre mais, aos sindicalistas que nunca sabiam para uma greve: «Não devemos desesperar Billancourt». Em Billancourt, nos arredores de Paris, ficava uma das maiores fábricas de automóveis da Renault. Seguindo esta lógica, o Dr. Passos Coelho apresentou um orçamento eleitoralista ma non troppo. O PS, com o Dr Seguro ou com o Dr Costa, partilha esta análise e recusa aparecer como o portador de más notícias que supostamente o fariam perder as eleições; julga ganhá-las apresentando como crítica ao Orçamento 2015 a promessa de distribuir uns bonbons de licor que, segundo ele, o aleivoso PSD quer esconder no congelador. Sobre o tema, O Economista Português julga a fantasia económica e financeira é mais aditiva do que a heroína.

3 responses to “O Orçamento 2015 é realizável? «Não devemos desesperar Billancourt»

  1. Eu tinha ideia que “il ne faut pas désespérer Billancourt” era uma afirmação do Sartre, destinada a justificar o seu silêncio em relação à repressão na União Soviética e o seu apoio ao PCF (que o tinha em tempos chamado “hyène dactylographe”…), fazendo eco à sua frase famosa “un anticommuniste est un chien”. Estarei enganado, Luís Salgado de Matos? Um abraço

    Luis Filipe Castro Mendes

  2. O Economista Potuguês agradece ao embaixador Luís Filipe Castro Mendes a douta lição – que, numa primeira leitura, lhe parece compatível com a versão que expôs da frase «il ne faut pas desespérer Billancourt».

  3. Oh, quem sou eu para dar lições aos Mestres!
    Cordialmente
    Luis Filipe Castro Mendes