Gestor de Falência pede Anulação do Novo Banco

NovoBancoMaisSeguroMais forte? Mais seguro?

O Tribunal do Luxemburgo nomeou um gestor de falências para as empresas do grupo BES sediadas naquele país. O gestor, sr. Laurence Jacques, quer anular a «resolução» (falência oficiosa) do BES, decidida pelo BdP (Banco de Portugal) e, em consequência, extinguir o Novo Banco e anular as consequências daquela decisão. A comunicação social portuguesa deu-nos um conhecimento perfuntório desta informação. O gestor interpôs recurso no Tribunal Administrativo de Lisboa. O Economista Português suspeita que ele invocará os prejuízos causados aos credores do BES pela «resolução»; mas ignora o caso e suspeita que haja mais molho.
O BdP sentiu-se atingido; se não se tivesse sentido atingido, não teria  reagido com uma rapidez nele pouco habitual:

BesBdPInvocaInteressePúblico
«Interesse público»? Talvez haja em direito público uma noção homónima aplicável ao caso. Mas bastará dizer essas palavras mágicas, como se fossem um abracadabrá? Será que o BdP foi eleito? Qual a sua legitimidade para invocar motivos políticos?  O contribuinte português não deverá neste caso acautelar os seus interesses? Se o BdP perder, quem pagará? Serão os funcionários do BdP? No caso referido, haverá recurso para jurisdições europeias? Aceitarão essa argumentação «política»?

Como diz a canção pimba, «isto anda tudo ligado». Queira ler a seguinte local publicada no edição de ontem do Wall Street Journal  anunciava: exames a atividades de lavagem de dinheiro do grupo BES:

WSJBESLavagemDeDinheiropAté ontem, não havia acusações tão graves no caso BES. Bancos portugueses, otimamente supervisionados, a lavarem dinheiro? Onde ouvimos isto? Será mais um episódio da caça ao tuga? Em breve saberemos.

Os comentários estão fechados.