O Dr. Passos Coelho gaba-se de Esmifrar a Classe média e a Oposição reclama: Mais!

ManifCaçarolasAs manifestações com caçarolas são típicas do empobrecimento radical da classe média

Sexta feira passada, o Dr. Passos Coelho afirmou: «Ao contrário do que era o jargão popular de que quem se lixa é o mexilhão, de que são sempre os mesmos (…) desta vez todos contribuíram e contribuiu mais quem tinha mais, disso não há dúvida». A afirmação foi proferida em Braga para encerrar um seminário sobre Economia Social, organizados pela União de Misericórdias de Portugal.

O Economista Português suspeita que o Sr. Primeiro Ministro está tão à vontade  com o idioleto do Bairro Alto como com a problemática da redistribuição do rendimento. «Quem se lixa é o mexilhão» significa 1º)  sai prejudicado no ato sexual o homem cujo órgão sexual for demasiado ativo ; 2º) quem protesta é mais castigado.

Dada a quadra natalícia, muito propensa à bondade interpretativa, suponhamos que a frase dita popular significa que os mais pobres empobrecem mais.  Se a frase do Dr. Passos Coelho é exata, ela equivale a esta outra: «Sacrifiquei a classe média». Porque, tendo em conta a baixa do IRC, a autorização das deslocalizações fiscais para a Holanda, além de outras benemerências avulsas a favor de quem é remunerado pelo lucro, o Dr. Passos Coelho fez pagar a crise à classe média, em particular aos funcionários públicos mas não só.

O mais extraordinários é que as palavras do Dr. Passos Coelho suscitaram a reação: «Mata? Esfola!!!». A oposição em bloco pediu ao Dr,. Passos Coelho para esmifrar mais a classe média. Será preciso lembrar que, segundo Aristóteles, o Estado de Direito não sobrevive sem a classe média e que o general Pinochet subiu ao poder no Chile apoiado nas manifestações em que donas de casa agitavam tachos vazios devido à política económica errada da frente popular?

Os comentários estão fechados.