Educação da mão de obra: Somos os piores da OCDE

MãoDeObraEducaçãoEducaçtionAtAGlanceFonte: http://www.oecd.org/edu/EAG-Interim-report.pdf

Portugal está na ultima posição entre os países da OCDE quanto à população ativa (25 a 64 anos) que possui ensino pós secundário ou terciário. Partilhamos esta posição com a Itália e a Turquia. Neste capítulo, mesmo o México está melhor do que nós. estes dados constam da atualização de Education at a Glance, ontem divulgada pela a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE).
Como é sabido, o grau de ensino da mão de obra é decisivo para o crescimento económico a longo prazo. Os portugueses parecem convencidos que a sua população ativa é muito educada. Ainda há poucas semanas, o Dr. António Costa, secretário geral do PS, afirmava que Portugal basearia o seu desenvolvimento económico em atvidades com mão de obra qualificada. Parecia supor que a obra educativa do regime fora excelente e a nossa mão de obra era qualificada. Estava bem enganado quanto ao país de que pretende ser primeiro ministro.
Boa parte da nossa população ativa foi (ou não o foi) educada depois do 25 de abril. O nosso atraso histórico no campo educativo mantém-se, se não se agravou. É altura de procedermos a um diagnóstico rigoroso da obra do 25 de abril no campo do ensino, incluindo sabermos se ele facilitou ou prejudicou o desenvolvimento económico. Temos que acabar com as ilusões criadas e mantidas por lóbis interesseiros, perante a falta de exigência e de rigor do grosso da elite e da quase totalidade do establishment, para sabermos como devemos agir no campo do ensino em geral e do ensino vocacional em particular.

Se quiser descarregar Education at a Glance (que contém numerosos dados estatísticos sobre a relação entre o ensino e o mercado de trabalho), clique em

http://www.oecd.org/edu/EAG-Interim-report.pdf

Os comentários estão fechados.