O Perigo para a Eurozona: Merkel, Hollande em Moscovo

Religiões na EuropaUm eixo ortodoxo em formação?

A Chancelarina Merkel e o Presidente Hollande estão hoje em Moscovo para tentarem métodos pacíficos de acordo com a Rússia sobre a Ucrânia. Invertem assim num relâmpago meses de demonização de Putin. Porquê? Por causa do Syriza. Vejamos. Os ucranianos pró-russos desencadearam um ofensiva militar.  Esta ofensiva foi contigua à vitória do Syriza nas eleições gregas. Washington respondeu com a ameaça de dar armas letais ao governo de Kiev. Berlim recusou, pelo menos por hora, o que diz bem a gravidade e a acuidade que a Alemanha atribui ao problema.  Ou seja: a Rússia aumenta a pressão sobre o eixo franco-alemão no eixo leste europeu-ortodoxo. Isto é:  Moscovo ameaça apoiar a Grécia se ela abandonar/tiver que abandonar a Eurozona. A visita de Merkekelhollande a Moscovo significa que os nossos credores querem impedir a Rússia de apresentar uma proposta à Grécia. Presumivelmente por não estarem com vontade de cobrir o apoio russo a Tsipras. Cobertura que por certo sairia em conta, dada a debilidade petrolífera das finanças russas. Dito de outro modo: a campanha de inverno do general Merkelhollande é o primeiro sinal sério que os credores da Eurozona não estão interessados em chegar a acordo com o novo governo grego. Veremos daqui a poucas horas se Putin deixa cair o Syriza ou se obrigará os alemães e os franceses a gastarem mais dinheiro.

IaltaDepois da conferência de Ialta, em 1945, na qual Staline, Rooesevelt e o Churchill (acima) dividiram o mundo, o primeiro ministro britânico mandou tropas para a Grécia, para a impedir de ser absorvida pelo comunismo russo – e como a NATO parece hoje considerar que russo é  comunismo sempre, está esboçado um cenário de crise e talvez de guerra quente.

Anteontem, o Banco Central Europeu (BCE), concretizando a ameaça anunciada de cortar a liquidez barata à Grécia, já mostrara preferência por uma solução rápida (a banca grega continua a ser financiada pelo programa ELA, do BCE, com o inconveiente de ser mais caro).

One response to “O Perigo para a Eurozona: Merkel, Hollande em Moscovo

  1. Bem visto!