Passos e a Grécia: Política europeia segundo o Lazarillo de Tormes

LazarilloDeTormesGoyaO Lazarillo de Tormes, o genial romance pícaro em que os cegos pedintes espancam os coxos andrajosos, tornou-se a cartilha da política europeia do nosso país (óleo de Goya)

O Sr. Tsipras, chefe do governo grego, falando numa instância do seu partido, o Syriza, criticou Portugal e Espanha, acusando os Estados peninsulares de terem acicatado a Alemanha contra o recente acordo com a nova Hélade. Madrid e Lisboa protestaram por vias diplomáticas, em termos que de momento estão ainda pouco claros (parece que  se queixaram à Comissão de Bruxelas e ao Conselho de Ministros da União Europeia-UE). Rajoy falou num comício (Tsipras está tão mal que precisa de inventar inimigos externos) e Passos calou.
A ocorrência merece três comentários a’ O Economista Português:
É má ideia recorrer à nossa diplomacia para intervir na vida interna dos partidos políticos estrangeiros: é suscetível de ser visto como interferência na vida interna de um Estado ou tentativa de violar a liberdade de expressão. Por outro lado, um certo número de portugueses simpatizam com o Syriza e não se sentirão representados pela nossa diplomacia – pois nenhum órgão do Estado português aprovou uma posição anti Syriza;
O conflito terá custos europeus para Portugal: o nosso país aparecerá como pretendendo exercer um veto na UE, para benefício eleitoral do seu governo – ainda que tal veto incendeie a UE; queremos mandar no dinheiro dos alemães não para nosso benefício mas para impedir que os tudescos o dêem aos helenos; é uma insensatez, com a qual nada lucraremos e por cuja arrogante mesquinhez talvez sejamos punidos;
O Governo de Lisboa desinteressa-se do nosso bem a benefício de conseguir o mal dos seus adversários: há por certo numerosas ações governamentais para defender os nossos interesses nacionais no quadro da UE, mas são desconhecidas; conhecida é a sua ação para atacar um governo próximo da Internacional Socialista (que não é propriamente a Internacional na qual o Dr. Passos Coelho alinha).

Os comentários estão fechados.