Ministra das Finanças deixa entender que Draghi obrigou o Semiprotetorado a fechar o BES

DraghiàSaídaDareuniãodoBce3Ago12Na divisão do trabalho da eurozona, Portugal terá praias e oliveiras mas não necessitará de bancos próprios, parece ter decidido o Sr. Draghi

A Srª Ministra das Finanças, Drª Maria Luís Albuquerque, foi ontem à Comissão de Inquérito Parlamentar ao caso BES. Das suas declarações, O Economista Português destaca:
• Manifestou incomodidade pelo caso do papel comercial do BES/GES;
Não ofereceu nenhuma narrativa coerente sobre a resolução do BES: não explicou a omissão do decreto-lei da resolução no comunicado do conselho de ministros de 31 de julho passado, aplicado dias depois ao BES; invocou «lapso», que é o mesmo que aos costumes dizer nada; porque terá a Drª Albuquerque faltado ao referido conselho de ministros? Se a responsabilidade é apenas do novo bode expiatório do governo, o que explica que o governo tenha aprovado o ditto decreto-lei?
Deixou entender que o BES foi fechado por ordem do Banco Central Europeu (BCE) ao semiprotetorado: a precipitação da operação «resolução» e o facto de o governo não conseguir oferecer uma narrativa dos acontecimentos sugere que foi surpreendido pelas ordens de Draghi; o que explicaria também os lunáticos zigzagues do Dr. Carlos Costa, que ao natural é um cidadão normalmente zigzagueante;
Continua a insistir que na resolução do BES o contribuinte só pagará o que está anunciado, pois os bancos assumirão as despesas com a resolução do BES mas esta tese é cada vez menos verosímil pois todos bancos deram prejuízo (exceto o Santander) e são crescentes exigências do BCE à solvabilidade e à capitalização da banca; os bancos portugueses terão dinheiro para pagarem a resolução?  ou a ideia é extinguir a banca no semiprotetorado, levando-a à falência pela obrigação de pagar a resolução?

Os comentários estão fechados.