A Surpresa retórica do Sr. Primeiro Ministro

PassosCoelhoInvestidoresEstrangeiroseNacionaisO Sr. Primeiro Ministro aparece surpreendido com a maldade dos investidores nacionais.  Se agem assim, é porque o governo os trata pior do que aos estrangeiros.

> Um banco português foi confiscado, por um processo amavelmente designado de resolução, ao passo que os estrangeiros são tolerados ou estimulados.

>> No PREC, por razões estratégicas, os investimentos diretos estrangeiros não foram nacionalizados, ao contrário dos portugueses, ainda que estes estivessem nas mesmas condições.

>>> Como o governo não autoriza um mercado de capitais para as PME (no fundo, o que resta de empresas portuguesas), elas têm que se financiar mais caro do que as estrangeiras e por isso de momento só raro atingem  limiares de rendibilidade.

NovoBancoInvasãodaSede2015abril9Invasão da sede do Novo Banco pelos investidores defraudados,  ontem

iv. Os (pequenos) aforradores portugueses que investiram em papel do comercial do GES correm o risco de ficarem sem a (quase) totalidade das suas poupanças, apesar de aquele produto ter sido emitida ao abrigo da pesada e onerosa supervisão financeira portuguesa (BdP & CMVM), e em consequência de uma intervenção dessa tutela – enquanto o todos os portugueses se sacrificam para pagarem aos seus credores externos.

Se o Sr. Primeiro Ministro tivesse tido em conta estas ocorrências, por certo não teria proferido aquelas suas declarações, desnecessariamente gravosas para os aforradores, investidores e empresários portugueses. É triste que esta tristeza seja nova matéria de divisão entre os portugueses e de caça aos gambuzinos eleitorais.  Tudo augura uma campanha eleitoral que nos vai dividir e desmoralizar.

 

Advertisements

Os comentários estão fechados.