Krugman e Stieglitz esquecem o Euro e só em Parte compreendem a Crise grega

PaulKrugmanPaul Krugman explicando economia aos helenos

StiglitzJ. Stieglitz explicando economia aos helenos

Paul Krugman e Joseph Stieglitz, dois norte-americanos ambos prémios Nobel da Economia, declararam-se ontem a favor do «não» grego no referendo. As razões que invocam são certas: é a crítica de matriz keynesiana à política austeritária do padrão-ouro imposta pela Alemanha, que agrava a crise financeira pois, diminuindo o PIB, diminui a base das finanças. Os  seus argumentos são porém insuficientes: a questão central na Grécia é que a paridade do euro é inadequada à dotação de fatores e à função de produção da economia grega. É o cruzamento desta fortissíma inadequação com o erro dos câmbios que tornou e tornará explosiva a crise grega. Os dois ilustres keynesianos esquecem o euro. Mas ainda não vivemos numa economia de direção central na qual a moeda foi substituída por senhas de racionamento cuja venda acarrete prisão. Ora o ponto forte da campanha a favor do Euro é … o Euro pois o seu câmbio elevado leva os gregos a sentirem-se ricos. Por isso, os argumentos de Krugman e Stieglitz são muito moderadamente convincentes.

 

http://krugman.blogs.nytimes.com/?module=BlogMain&action=Click&region=Header&pgtype=Blogs&version=Blog%20Post&contentCollection=Opinion

http://www.theguardian.com/business/2015/jun/29/joseph-stiglitz-how-i-would-vote-in-the-greek-referendum

 

Os comentários estão fechados.