Grécia: a Derrota alemã implicará o Fim do Euro?

GoetterdaemmerungEurogrupo: Götterdämmerung ou golpe da Srª Merkel?

O Economista Português interrompe pela primeira vez o dia do Senhor porque a Alamanha derrotada – isto é: em minoria no Eurogrupo de ontem, sábado, e isolada no mundo – segue uma tática que culminará em expulsar a Grécia do Euro e assim começar a destruí-lo por não aceitar a derrota. O Sr. Schäuble acusa a Grécia de lhe ter minado a confiança – o que revela má fé negocial dele pois, se não tinha confiança na Grécia, nunca deveria ter negociado com ela. Com esse argumento, o Sr. Schäuble revela-se  burro e de má fé. Por isso, o mau perdedor prefere destruir o brinquedo (o Euro) a consentir que os outros meninos joguem com ele.

Expulsar a Grécia abrirá uma crise económica internacional grave  para Portugal e que, a concretizar-se, será perigosa para Portugal e talvez letal para as instituições que felizmente nos regem. O fim violento do Euro aumentará a probabilidade da escalada das guerras que já minam a Europa (Srebnica, Kosovo, Ucrânia).

O único modo de evitar a implosão do Euro é no Eurogrupo de hoje os países sensatos do Euro enfrentarem a Alemanha. Estamo em pleno jogo da chicken (galinha, cobarde, fraco): tal como em 1914 e 1939, a Alemanha ataca (desta vez apenas com Euros) porque julga os outros fracos; se perceber que ela própria é fraca, teremos a paz financeira. Por isso, o Dr. Passos Coelho deve mandar hoje dizer ao Sr. Schäuble: «nós, portugueses dirigidos por Herr Coelho, continuamos a ser os mais sérios devedores do mundo e por isso não o acompanharemos neste novo Götterdämmerung».

O Eurogrupo de ontem é interpretável num registo mais ligeiro: o empresário percebeu que a peça estava a ficar enfadonha e, para vender mais bilhetes, resolveu meter suspense no argumento. Várias razões militam a favor da maior probabilidade do acordo.

  • No Eurogrupo de ontem, sábado, segundo relatos não confirmados, nem a Alemanha nem nenhum dos seus fãs teve a coragem de propor a saída grega do Euro. Se a hipótese foi referida, foi secundária: o Eurogrupo andou à procura de uma solução política
  • Expulsar a Grécia do Euro sairá mais caro aos credores do que conceder-lhe o 3º resgate
  • Há uma maioria de votos a favor do ac0rdo (o que na «democrática» UE term que ser considerado irrelevante)
  • A Srª Merkel estará a manipular a bronquidão do seu ministro das Finanças para, mostrando ao seu eleitorado a derrota alemã, ter margem política para chegar a um acordo. É que os alemães consideram-se vencedores na presente crise, pois, após a reunificação, têm sido educados para regressarem ao nacionalismo por uma classe política ignara. Os alemães, os britânicos, os franceses, os italianos e tutti quanti. Regresso ao nacionalismo que é o anúncio do inevitável óbito do projeto europeu.

O Economista Português continua a considerar mais provável o acordo grego por duas razões:

  • O suicídio é sempre irracional, e recusar o 3º resgate é suicídio eurozonático
  • Vivemos na paz dos vencedores da Segunda Guerra Mundial, que a Alemanha perdeu e os Estados Unidos ganharam. Ora Washington quer o acordo.

Mas, como Platão diria, o mal é em geral estúpido e por isso estas razões são precárias. Depois trataremos da Grécia, os tais 2% do PIB europeu.

3 responses to “Grécia: a Derrota alemã implicará o Fim do Euro?

  1. Francisco Tavares

    Infelizmente, a lavagem dos órgãos de comunicação social ao cérebro dos leitores continua. Segundo o DN, citando o The Guardian, “Tsipras pressionado: ou aceita implementar mais reformas ou a Grécia sai do euro”. É uma luta de morte para que o “mau exemplo” não se espalhe…….

  2. O Economista Português agradece o comentário.

  3. Francisco Azevedo

    Muito bem. Grande e lúcido texto. Há muito tempo que se antevia este cenário, o do domínio alemão na Europa, – usando o €uro como instrumento de guerra, depois de ter perdido pelas armas e pela irracionalidade duas guerras mundiais – e que continua a manter a mesma irracionalidade comandada agora “por uma classe política ignara” (tal como se refere no texto) e exterminadora de qualquer ideal democrático, para já não dizer da Europa do Tratado de Roma… que já era! Precisamos de reler o discurso de Péricles aos Atenienses e regressar com a maior urgência à Europa dos cidadãos…