O Dr. Costa, Carlos (BdP) salvará o Novo Banco sem o Dinheiro do Sr. Jerónino de Sousa e da Srª D. Catarina Martins?

NovoBancoInvasãodaSede2015abril9O Novo Banco será vendido sem que a banca tenha que pagar mais ao fundo de resgate. anunciou o Banco de Portugal (BdP). A questão surge porque o Novo Banco não passou nos stress tests do Banco Central Europeu (BCE) para o caso das coisas correrem mal – o único caso em que eles interessariam, diga-se de passagem. Por isso, cheirava a necessidade de mais dinheiro público, embora o mercado estivesse à espera de pior.

O Economista Português rejubila. E passa a explicar. O dito fundo de resgate é um capital destinado a pagar a falência de um banco o qual é sobrescrito pelos bancos que não faliram. Leu bem. É uma regra da União Europeia (UE), a mamã do capitalismo brejneviano. Imaginemos uma situação comparável que não seja a da banca: na rua , onde o leitor toma o pequeno almoço, há cinco leitarias, uma nojenta, ineficiente, deficitária ao lado de quatro limpas, atraentes, lucrativas. Quando a leitaria nojenta vai à falência, o Alta Autoridade Reguladora das Leitarias (AARdL) manda as leitarias lucrativas pagarem a falência da ineficiente – e leva-as a todas à falência, pois o mercado das leitrarias era concorrencial e nenhuma dispõe de fundos para pagar as perdas das outras (nenhuma por si só, nem as quatro sobrantes em conjunto). Onde leu leitaria, leia sff banco da UE. É o capitalismo brejneviano atualmente dominante na UE.

Como o leitor talvez recorde, O Economista Português criticou a imposição da falência do BES, que está na origem do Novo Banco, e por isso censurou o Dr. Carlos Costa, gerente do BdP e (cor)responsável por essa falência. Por isso hoje gostosamente o elogia na sua confessada intenção de evitar falências adicionais na banca portuguesa – se cumprir as suas promessas. Se tentar. Se conseguir. O Economista Português alimenta sobre essa possibilidade as maiores dúvidas, pois não encontra para elas o menor cabimento legal, mas espera que o Dr. Costa, Carlos o esclareça a ele, aos cidadãos em geral e ao Dr.Costa, António, em particular sobre o modus faciendi dessa salvação. Porque se o Dr. Costa, Carlos, não salvar a banca da falência decretada pelos extraordinários Fundos de Resgate parturejados pela capitalista e brejneviana UE («liberal e moscovitária», dizia Fernando Pessoa), e se ao mesmo tempo não cumprir a promessa do Dr. Passos Coelho de não causar encargo ao conribuinte, o Dr. Costa, António será obrigado a pôr dinheiro do contribuinte nessa salvação (de um modo ou de outro) e por isso será derrubado pela Srª Dona Martins, Catarina, e pelo Sr. Sousa, Jerónimo, que recusarão votar dinheiro do contribuinte para salvar a banca (estrangeira ? perdulária? capitalista?).

HotelRitzSalãoMobre

O almoço seguinte foi numa sala reservada, ao lado da acima mostrada

Ainda a tempo: O Dr. António Costa terá tratado deste tema com alguns banqueiros que ontem convidou para para almoçarem no restaurante emblemático do ideário socialista. o do Hotel Ritz ? O Economista Português supõe que o convite foi do Dr. António Costa, pois a imprensa informa que partiu dele a iniciativa do encontro.

Os comentários estão fechados.