Humor Financeiro Involuntário

O Metro pensou fechar a estação de Arroios por não conseguir  de outro modo resolver o problema do comboio mais comprido do que o cais. Como se sabe, este problema apenas ocorre em Arroios. Se um brasileiro lesse a notícia acima, recortada do Diário de Notícias do passado dia 15, chamar-lhe-ia «a anedota do português».

 

Anúncios

4 responses to “Humor Financeiro Involuntário

  1. Em França adquiriram comboios tgv que não passavam nas estações… Solução: alterar todas as estações por onde passa o tgv.. Estas anedotas infelizmente não são só portuguesas..

    Cumprimentos,

    Filipe Dias

    • O Economista Português agradece o comentário. O Metro português, em vez de se inspirar no TGV francês, deveria ter-se inspirado no Metro de Londres, que há muito resolveu problemas desse género: coloca nas últimas carruagens de cada composição o aviso «esta carruagem não serve a estação de Arroios»; e o sistema sonoro das estações dá o mesmo aviso. O Metro de Lisboa podia também ter estudado teoria dos conjuntos: como ligar o conjunto de lugares o cais e o conjunto de arruagens de uma composição? Mas a ânsia de gastar dinheiro e de aumentar o défice do Estado levou-o a não hesitar em fazer figura de burro e ignorante dos metros deste mundo.

  2. Ou então no metro francês como em Toulouse, que funciona sem condutor, cada um tem duas carruagens e pode-se passar internamente de uma para a outra sem problemas, e há um metro a cada 2 minutos em hora de ponta.
    Sem dúvida a melhor solução que experimentei.

    Cumprimentos,

    Filipe Dias