Doutor Centeno: «Altamente privilegiado» é quem ganha 80% do PIB por habitante

ta: o PIB
Nota : os valores do PIB por habitante são mensais. Fontes: PIB: o PIB trimestral em 2015, atribuindo ao 4º trimestre o valor do 3º, multiplicado pela taxa de crescimento do PIB declarada no orçamento de 2016. População: residentes em 2013, excluídos os menores de 15 anos em 2014, segundo os dados do INE Pib por habitante: PIB por residente maior de 15 anospois o menor de 15 anos não paga IRS.

O Sr. Ministro das Finanças, Doutor Mário Centeno, qualificou de «altamente privilegiado» qualquer português que ganhasse 2000 euros brutos por mês. O Economista Português comparará este valor com o PIB por habitante. Este PIB é líquido de impostos e por isso terá que calcular o valor daqueles dois mil euros líquidos de impostos. Se convertemos os tais dois mil euros em rendimento líquido, teremos 1400 euros por mês (é um cálculo muito favorável ao Doutor Centeno, pois não descontamos na íntegra o IVA, o ISP, e outros impostos indiretos). O Economista Português comparou este valor líquido com o do PIB por habitante fiscal. Este PIB por habitante fiscal em 2016 será 1664 euros. Isto é: a média do PIB por habitante fiscal é superior em 19% ao valor que o Sr. Ministro das Finanças afirma definir o português «altamente privilegiado». O português «altamente privilegiado» está pronto para o holocausto fiscal, pelo menos em 2016. segundo o Doutor Centeno. «Austeridade»? Que ideia! «Eu gosto mais da palavra restrições do que da palavra austeridade», disse o Sr. ministro das Finanças. Os «privilegiados» viverão em «restrições» e os outros em não restrições.
Ao dividir os portugueses entre os «privilegiados» e os outros, o Doutor Mário Centeno optou por colocar a sua alma à disposição dos contribuintes. Com efeito, a palavra «privilegiado» não é objetiva, contém uma crítica: o privilegiado abusa. Como a alma do doutor Centeno afeta os nossos impostos, O Economista Português julga-se obrigado a comentá-la. Onde nasce este conceito centeniano de privilegiado? Privilegiado era a acusação dos tribunais do povo da Bulgária comunista, após a Segunda Guerra Mundial, para desqualificar os burgueses que desobedeciam ao Partido Comunista: «sou privilegiado», confessavam os réus nesses tribunais para salvarem a vida ou conservarem a liberdade. Os comunistas continuaram a usá-la neste sentido para tudo o que estava acima da média: o que estava acima da média era privilégio e por isso era expropriável sem indemnização. Ao dividir os portugueses e ao acusá-los, o Doutor Centeno divide-se e  acusa-se a si próprio: ele é o privilegiadíssimo funcionário do privilegiadíssimo Banco de Portugal que na chantagem emocional sobre o próximo encontra um álibi moral para justificar os seus privilégios, pois fez a sua «opção de classe». Onde terá o Doutor Centeno aprendido estes modos? Em Harvard, cuja galhardete ostenta? Na União dos Estudantes Comunistas (a célebre UEC), cujo emblema ostentou e agora esconde? Na sua própria alma? Numa combinação destes fatores? Noutros fatores ainda? O Economista Português considera desnecessário formular um juízo a este respeito.

*
Para ler a triste entrevista do Entrudo do Sr Ministro das Finanças, Doutor Mário Centeno, queira ir a
http://www.dn.pt/portugal/interior/quem-tem-2000-euros-de-rendimento-tem-uma-posicao-privilegiada-5021472.html

Os comentários estão fechados.