O Governo e o BdP sabiam do Banif: Varela começa a desfazer uma História da Carochinha

Varela fiscalizou-se a si próprio no Banif, em nome de todos nós

O governo António Costa e o governo Passos Coelho tentam ambos que acreditemos na história da Carochinha: eles não sabiam do caso Banif.

Ora o administrador do Banco de Portugal (BdP) com o pelouro da fiscalização bancária era o Dr. António Varela. Foi nomeado para esse cargo pela Drª Maria Luís Albuquerque, então Ministra das Finanças, que foi buscá-lo … à gestão do Banif . O nomeado, além de ter sido administrador deste banco, era seu acionista. Ora o Bdp era o supervisor do Banif. Albuquerque nomeou Varela para se fiscalizar a si próprio e Centeno manteve-o nessa extraordinária situação. Como entre nós a falta de vergonha beneficia de uma elasticidade infinita, a biografia de Varela, constante da página do BdP na Web, informa com toda a desfaçatez que ele foi administrador do Banco Internacional do Funchal, nome completo do Banif (2013-2014), mas não que era seu acionista.

Ao que se sabe, Varela só tarde pediu no BdP para não tratar do caso Banif. Dois governo e um governador do BdP deixaram-no permanecer a fiscalizar-se a si próprio.

Varela demitiu-se há dias de administrador do BdP. Na sua carta de demissão, ontem divulgada pelo Jornal de Negócios, comunica ao Governo que não se identifica «o suficiente com a política e a gestão do Banco de Portugal». Isto é: Varela distancia-se do modo como o BdP tratou o caso Banif. O que sugere que informou devidamente as autoridades de supervisão, pelo menos até dado momento.

Varela começou a esclarecer mas o seus  esclarecimento é insuficiente: Impõe-se saber:

  • O Dr. A. Varela fiscalizou como parece o Banif de que fora administrador? Se sim, de quando até quando?Que atos praticou? Até quando?
  • A Drª Albuquerque e o Doutor Centeno equacionaram a incompatibilidade entre ser acionista do Banif e seu fiscalizador?
  • Se o dito Varela pediu renúncia à fiscalização (escusando-se a participar nas decisões), renúncia parcial (só do Banif) ou total, quem o substituiu?
  • Em que pareceres jurídicos se escoraram os sucessivos governos Passos Coelho e António Costa e o governador do BdP, Carlos costa, para aceitarem que o Dr. Varela exercesse as funções de se supervisionar a si mesmo em nome de todos nós?

Se o governador do Banco de Portugal, o Governo e António Varela não esclarecerem o que se passou, de modo a dissipar as dúvidas existentes, a Procuradoria Geral da República deve entrar em ação, pois é clara a evidência de matéria criminal. Aliás, para defenderem o seu bom nome, os interessados deviam pedir essa investigação criminal – pois em matéria penal ninguém leva a sério as comissões de branquemaento parlamentar.

Os comentários estão fechados.