Salário Mínimo: O PS alcança as 43 Primaveras e converte-se à Economia Política do Populismo

«Vemos alguns, cá dentro e lá fora, a dizer que nós não nos desenvolveremos porque estamos condenados a viver num país de pobreza e baixos salários», disse o Dr. António Costa ontem, na celebração do 43º aniversário do Partido Socialista. Este género de ocasiões é em geral nefasto à revelação de grandes verdades da teoria económica, mas o secretário-geral do PS ontem excedeu-se no campo da fantasia tétrica.

Em bom rigor, ninguém diz que «não nos desenvolveremos». Esse género de frases é doutro século. O que o FMI e a agora a Comissão bruxelina dizem é que, se aumentarmos à força o salário mínimo, obteremos o efeito perverso de diminuir o nosso crescimento económico. E que ele só surgirá se os salários aumentarem de acordo com a produtividade. Para enriqueceremos, temos que nos dar à maçada de sermos mais produtivos. Não basta discursar em ocasiões comemorativas e dignificadas.

A frase do Dr. António Costa é inquietante por uma razão particular: ele acredita nela. O nosso Primeiro Ministro acredita que enriqueceremos aumentando os salários por decreto. É a ilusão pubertária que basta querer ser rico para enriquecer. Essa ilusão é a base da  economia política do populismo: foi assim que a Argentina se arruinou, é assim que a Drª Dilma Roussef está a arruinar o Brasil. A verdade é outra: as economias enriquecem aumentando a produtividade dos fatores, em particular do trabalho.

O Dr. António Costa por certo pensa assim porque tem maus conselheiros. Veja a seguir um exemplo:

O governo é  o  seu militante e ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, o Mestre Pedro Marques, afirmou ontem que vai «mostrar», ou «demonstrar» à Comissão de Bruxelas, que aumentar o nosso salário mínimo cabe dentro dos limites da flexibilidade. Demonstrar!!! Não vai dialogar, não vai persuadir, vai demonstrar!!! Ai valente Mestre Marques, cavaleiro de Portugal e de Além Mar!!!  A demonstração, de momento secreta, já deve estar concluída, pois  foi revelado que inclui «mais informação, até estatísticas». Com as estatísticas, ficamos todos consolados..

*

Para a «demonstração», ver

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/governo_diz_que_vai_mostrar_a_bruxelas_que_ha_espaco_para_aumentar_salario_minimo.html

 

Os comentários estão fechados.