Economistas: Brexit lança-os para a Crise

economistasbrexitpoeosemcrise

Se o Reino Unido aprovasse o Brexit, a sua economia entraria em crise. Esta foi a previsão unânime  do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económicos (OCDE) e do Banco de Inglaterra, para não falarmos dos sábios economistas transpirenaicos. Afinal,  entre as grandes economias, a britânica foi a que cresceu mais  no último trimestre do ano passado. Depois da crise financeira de 2008 (Lehman Brothers), os economistas voltaram a falhar.

FMI, OCDE, transpirenaicos assobiam para o lado distraídos.  O fracasso na previsão não é nada com os economistas profissionais. Adrian Haldane, o economista-chefe do Banco de Inglaterra, revelou ontem mais coragem moral e reconheceu que o fracasso na previsão do Brexit deixa a profissão dos economistas numa situação tão más como nos anos 1930,  na época da Grande Crise, quando John Maynard Keynes emergiu. A profissão de economista perdeu a credibilidade junto dos políticos e dos eleitores britânicos.

Haldane afirma que os erros de previsão se devem ao comportamento irracional  dos agentes económicos britânicos: consumidores e investidores continuaram otimistas quando deviam ter ficado pessimistas. Deviam porquê? Deviam porque a maioria dos economistas era contra o Brexit. Isto é: a profissão dos economistas deixa contaminar os seus modelos com as suas preferências políticas.

A autocrítica de Haldane é afinal afinal uma crítica aos empresários, aos consumidores e aos assalariados: são irracionais. A autocrítica lembra o célebre verso de B. Brecht quando os operários da Alemanha comunista se revoltaram, em 1951: «O Partido não está contente com o povo. O Partido dissolveu o povo». O economista profissional Haldane dissolveu os agentes económicos em nome da teoria económuica. É esta a segunda causa do fracasso dos economistas como profissão: a ciência económica que aprenderam é uma simples aplicação do cálculo infinitesimal a mercados de economia perfeita, em que nenhum produtor e nenhum consumidor influencia o preço.  Só que há poucos mercados assim. Esta «ciência» económica serve para alguns casos de microeconomia e pouco mais.Para falarem de  macroeconomia, os economistas deviam estudar economia política.

Para sublinhar o triste estado da profissão de economista, A. Haldane afirmou que, a longo prazo  a economia britânica entrará em crise com o Brexit. Pois. Um relógio parado está certo duas vezes por dia.

E nós? Nós por cá todos bem.

*

Um relato da intervenção do economista-chefe do Banco de Inglaterra em https://www.theguardian.com/business/2017/jan/05/chief-economist-of-bank-of-england-admits-errors

 

 

 

 

 

Advertisements

Os comentários estão fechados.