O Orçamento é menos social do que parece?

O orçamento parece esquecer os mais desunidos, escreve um leitor a’ O Economista Português.  Esse leitor é um dos nossos grandes especialistas em política social. Partilhamos completo a sua carta acima referida.

Os mínimos sociais constituem um problema cheio de complexidade: primeiro, porque são vários e deram origem a uma floresta bastante confusa; segundo, porque, apesar disso, não asseguram um rendimento mínimo a todas as pessoas que o não têm; terceiro, porque não  existe uma relação sistemática e consistente com a ação social, o desenvolvimento local e a promoção do emprego das pessoas necessitadas  que podem trabalhar. Dentro desta confusão, surgiu o mercado de novas medidas ou novos subsídios… que irá continuar mesmo depois da eventual aprovação do orçamento do Estado. Receio que estejamos numa fase de verdadeiro infantilismo político, notoriamente desfavorável às pessoas e famílias pobres e empobrecidas.

Os comentários estão fechados.